Dilma defende Petrobras e culpa Bolsonaro por alta nos preços dos combustíveis

Montagem de Dilma, Bolsonaro e Petrobras
Dilma e Bolsonaro/ Foto: Divugação / ABR

Em live do PT na internet nesta quarta-feira (23), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) culpou o presidente Jair Bolsonaro (PL) pela alta nos preços dos combustíveis, contrariando o discurso do governo federal de que a responsabilidade seria da Petrobras.

Dilma argumentou que Bolsonaro, por estar comando do Executivo, tem a prerrogativa de nomear a diretoria da Petrobras e de indicar parte dos integrantes do Conselho de Administração. A ex-presidente ainda disse considerar “absurdo” que o chefe do Planalto transfira essa atribuição para os funcionários da estatal.

“Eu acho um absurdo que um presidente, que é responsável pela nomeação da diretoria da Petrobras e pela indicação de parte do Conselho, tente transferir para a empresa essa responsabilidade. A responsabilidade não é dos funcionários da Petrobras. A responsabilidade por essa política de paridade de preços internacional é do governo brasileiro”, declarou em entrevista à ex-ministra Ideli Salvatti.

Leia mais 

1- De novo: Bolsonaro culpa Petrobras pelo o aumento dos combustíveis

2- Petrobras não cede a pressão e preços dos combustíveis seguem altos

3- Essencial do DCM: Bolsonaro quer desacreditar Petrobras para privatizá-la

Bolsonaro joga a culpa na Petrobras

Montagem de Dilma, Bolsonaro e Petrobras
Bolsonaro se isenta e culpa Petrobras pela alta dos preços/ Foto: Divulgação

Além de colocar a culpa na guerra da Ucrânia, Jair Bolsonaro tem se isentado da culpa pela alta dos preços da Petrobras. Ele também vem expressado insatisfação com o presidente da empresa, o general Joaquim Silva e Luna, e dito que a Justiça deveria cobrar esclarecimentos do militar.

“Se eu quiser trocar hoje o presidente da Petrobras, eu não posso trocar. Se eu quiser trocar hoje um diretor da Petrobras, eu não posso trocar. A Petrobras é praticamente independente. Então cobrem da Petrobras. Seria uma boa ação por parte de vocês”, declarou, em live, semana passada.

Bolsonaro se queixou da atual gestão da empresa, que, segundo ele, não teria sensibilidade social. “Não é a Petrobrás que não tem sensibilidade social. É a presidência da República, a direção da empresa, é seu conselho”, diz Dilma.

Na entrevista, ela também defendeu o critério de modicidade tarifária. “A Petrobrás tem que praticar o menor preço possível. Eles praticam o maior preço possível”, afirmou. “A culpa disso não é da Petrobras, é do Bolsonaro”, finalizou.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link