“Os militares vão com Bolsonaro até o fim”, diz PM que apoia o golpe

Viatura da PM de SP
PM de SP garante que corporação do país está com Bolsonaro – Foto: Divulgação/PS-SP

O DCM conversou neste domingo (26) com um Policial Militar que apoia que Jair Bolsonaro dê um golpe. Muito influente na PM de São Paulo e com contato em outros estados, ele garante que os policiais apoiam o presidente. Para ele, não importa o que aconteça no ano que vem, o apoio seguirá.

Sob a condição de anonimato, o PM lotado em uma grande cidade do interior de São Paulo, foi muito honesto. “Só o Bolsonaro pode ajudar a salvar o país de tudo que está errado”, diz ele. Questionado sobre o que é o ‘tudo’, o PM explica. “A corrupção desenfreada, mas principalmente a quebra de valores familiares”.

Para o capitão, que lidera centenas de homens, este não é o pensamento pessoal dele, mas da corporação. “Antes do Bolsonaro, o que a gente via era apoio à bandidagem e nossas crianças sendo jogadas na pornografia”. Ele, contudo, não explica sobre qual pornografia se refere e muito menos quem apoiava criminosos.

Leia mais:

1 – PP quer três ministros filiados a legenda; saiba quais são

2 – Juiz manda YouTube republicar vídeos de fake news e critica plataforma: “Castração de opiniões divergentes”

3 – Acusado de estupro, Nego do Borel diz estar ‘muito feliz’ após ser expulso da Fazenda

PM quer golpe

No bate com a reportagem, o PM foi questionado sobre os erros de Bolsonaro. “Não importa nada disso”, respondeu quando lembrado o preço do gás de cozinha, por exemplo. “O importante é que estamos limpando o país do pensamento mundano”.

Mundano, ele se refere à temas como defesa de minorias, direitos de LGBTQIA+ ou liberação das drogas. “É assim que todo policial militar pensa no Brasil”, garante. Na visão do grupo, segundo ele, primeiro o país precisa ser limpo e depois virá o crescimento.

Ao ser lembrado que Bolsonaro pode perder a eleição, o PM é enfático. “Ninguém nunca apoiou as Forças Armadas e a PM como ele”, retrucou. “Estamos com ele até o fim, inclusive numa intervenção”. Questionado se aquela também era a visão da corporação, o PM preferiu não voltar ao tema.