Forças Armadas planejam abandonar Bolsonaro

Bolsonaro tentando cumprimentar general das Forças Armadas
Forças Armadas não querem mais apoiar Bolsonaro – Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

As Forças Armadas planejam abandonar Jair Bolsonaro à própria sorte. Os principais comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica concluíram que o governo atual não pode representá-los. Boa parte acredita na derrota eleitoral, mas o abandono deve acontecer antes, já para a campanha. E isso se dá, não pela derrota iminente, mas por convicção.

O DCM ouviu pessoas ligadas aos principais comandantes das Forças Armadas e a tendência de abandono ao governo é forte. A explicação se dá no fato de que Bolsonaro extrapolou os limites e colocou os militares em situação de descrédito. Generais sequer consideram apoiar um golpe de estado e, agora, não querem vincular o nome ao do presidente.

“O Bolsonaro tem nos envergonhado a cada dia”, chegou a dizer um general numa conversa reservada com colegas. A reportagem teve acesso a parte do que foi dito e a situação do presidente é delicada. Embora alguns do grupo concordem com a mensagem dele, a forma como é feita e o protagonismo do presidente incomoda. Como a sociedade está mudando, as Forças Armadas não quer ser vista como reacionária, tendo um presidente da república como porta voz.

Leia também

1 – MP discute elaboração do Código de Ética, mas descarta novas punições

2 – Deputado Luis Miranda quer investigação sobre possível espionagem de Bolsonaro

3 – Bolsonaro sofre para encontrar um vice para 2022

Bolsonaro e as Forças Armadas

Diante deste cenário, o desafio das Forças Armadas é encontrar um nome para apoiar. Nos bastidores todos concordam que é inviável declarar apoio a Lula por tudo o que aconteceu no governo Bolsonaro. Por isso, o mais provável é que o grupo foque em alguém da terceira via.

Mas neste caso há outro desafio. Embora generais das mais altas patentes tenham definido que Bolsonaro não dá, a visão não é unânime. Soldados das três forças ainda apoiam o presidente e ele receberia muitos votos do grupo atualmente. Por isso, há concordância de que o próximo passo é derrubar o mito de Jair Bolsonaro entre soldados.